Sexta-feira, 11 de Maio, 2012


Wolf Gang, The King And All Of His Men

A última prova de aferição de matemática e os futuros exames. Alunos, pais, Nuno Crato e Cecília Honório (BE).

A máquina de calcular vai passar a ser parcialmente usada nas provas de matemática…

Sou uma das muitas professoras contratadas deste país à beira mar plantado. há já quase 20 anos que me dedico a esta lindíssima e ao mesmo tempo, brutal, profissão. Todos os anos me admiro do decréscimo das poucas vagas existentes para entrar na carreira docente, mas resigno-me (não sem dar luta) a ser mais uma das que concorrem todos os anos. É certo que ultimamente, como faço parte da primeira centena de contratados da lista, fico sempre onde escolho, e isso deu-me alguma segurança, comodidade e até confiança.

Pois,….confiança….agora, com tanta confiança, caí do céu aos trambolhões….

É que ainda não me tinha apercebido que a nossa vida estava por um clique…

Afinal parece que esta coisa da informatização, não veio só para nos simplificar a vida, mas em alguns casos pode complicar e muito, como aconteceu comigo…

Eu explico:

Os concursos para os contratados tiveram início no dia 19 de abril e prolongaram-se até 27, ora eu não querendo deixar as coisas para o fim, durante o fim de semana (21) tratei de preencher o que era necessário e resolver a questão. Assim que tive as coisas prontas, (há sempre aquele momento de dúvida) digitei a palavra passe e cliquei no botão submeter.

Ups…porque é que não sai o recibo?

Lembrei-me então que o pessoal contratado lá da escola tinha comentado acerca da dificuldade de obter o recibo e de o imprimir…

No dia seguinte, para descargo de consciência, voltei a entrar na aplicação e aparecem-me todos os campos (que antes tinha preenchido) a cinzento, desci na página e ainda cliquei em cima do sítio onde aparecia “palavra passe”, mas nada….

“É claro, se eu já ontem submeti, isto agora não dá para mexer”- pensei…burra ou apenas confiante? Não sei…chamem-me o que quiserem….

Sei agora, tarde demais, que devia ter clicado num botão que dizia “editar” para aquela coisa me dar acesso outra vez e que afinal não estava nada submetido.

Descobri isto na terça feira (dia 8) quando me dirigi à secretaria da escola, onde lecciono, para saber se estava tudo em ordem e a senhora me diz que o meu nome nem aparece na lista.

Em pânico fui falar com a direcção da escola que telefonaram para a dgrhe, onde, depois de acederem ao meu processo, informaram que não tendo eu submetido a aplicação, estava automaticamente, excluída do concurso.

Se eu fosse gaulesa teria sentido o céu a cair-me em cima da cabeça…

Desesperada, meti-me no carro e fui para Lisboa. A senhora que me atendeu na dgrhe não podia ter sido mais fria e cumpridora do seu ofício – “não há nada a fazer, se quiser pode pôr isso por escrito,pode pôr, mas olhe que a resposta que tem sido dada, aos que aparecem cá na sua situação, é que a legislação está clara acerca disso: todos os docentes que não completarem, ou não submeterem a aplicação estão automaticamente fora do concurso”.

Argumentei, chorei, solucei, disse que não era justo, roguei….em vão…..A senhora acedeu ao meu processo e verificou todas as datas das minhas entradas na aplicação, mas a sua resposta foi sempre a mesma – não há nada a fazer…

É assim, a vida por um clique…. Mais de dez anos a trabalhar e agora por causa de um clique, tiram-me o tapete de debaixo dos pés…

Já passaram 3 dias, já fui ajudada por uma advogada do sindicato a redigir a reclamação (que já entreguei ontem), já escrevi um texto que pus a circular no facebook a tentar encontrar mais pessoal nas minhas condições,  já pedi uma entrevista com o director geral dos recursos humanos, mas sinto-me a andar na corda bamba, estou a desesperar….

É por isso que lhe envio este email a contar a minha história, preciso que seja divulgada, e que me aconselhem, sei lá o que mais….

Preciso de ajuda….

 

Sandrina Espiridião

Deixaram-me a ligação no FBook para o cartaz original quase com 100 anos. Optei apenas pelo ar intrometido e cortei os dedinhos lambuzados ao Kilroy.

António José Seguro avisa que o PS avançará para uma «rutura democrática» com o Governo caso a saúde e a escola públicas sejam «atacadas». Para a pôr em prática, o líder do PS prefere as «instituições democráticas», mas admite «ir para a frente de uma manifestação» na rua.

«Se este Governo insistir em atacar o Serviço Nacional de Saúde, a escola pública e outras funções sociais do Estado, aí haverá rutura democrática», disse, em entrevista à TVI, informando que poderá fazê-la «através de vários instrumentos, quer ao nível parlamentar, quer na mobilização dos portugueses».

Embora prefira as «instituições democráticas» para fazer oposição ao Governo, Seguro avisa: «Estou disponível para ir para a rua à frente de qualquer manifestação.»

Primeiros: o que quer dizer rutura democrática? A mim pareceria uma ruptura com o funcionamento da democracia, tipo golpe de estado e tomada da Pastilha de Mentol. Mas deve ser só uma zanga de compadres.

Segundos: que manifestação deseja ser encabeçada por António José Seguro?

.

.

.

.

.

.

.

.

Pois… não há nada.

Até porque não sabemos se é mais do que ministro formal, se o Mexia%Amigos apenas deixam que use o gabinete.

Quem se arreganha todo, bate com a palma da mão na mesa  e grita ai-que-dor-fico-aqui-na-mesma, depois de ter ameaçado fazer não sei que mais e ir não sei onde, acaba quase sempre a esta,r não estando.

Até pode ser que consiga nomear grupos de trabalho, mas o sumiço fica garantido.

  • A Gargalhada:

As insónias de Miguel Relvas

  • Der Terrorist:

“You talkin’ to me? You talkin’ to me? You talkin’ to me?”

  • Norte Cáustico:

Relvas não se demite.

  • Pegada:

Mais um que não sabia o que era a Ongoing

  • Platonismo Político:

Política. Clara como a água.

  • Praça do Bocage:

Como desmentir sem desmentir

  • Vai e Vem:

Há um problema de uso da língua portuguesa no gabinete do ministro…

Recolha do incansável Livresco:

  • Artigo 58:

Mocidade portuguesa

  • Consciência Crítica:

Da brincadeira e do paternalismo

  • Do Portugal Profundo:

A consequência de Vítor Gaspar poupar os socratinos

  • Ladrões de Bicicletas:

A realidade é que falha, não a teoria

  • Lóbi do Chá:

Era bom que os impostos subissem

  • O Economista Português:

O Doutor V. Gaspar Torna-se Historiador Económico do Último Governo Sócrates e Força O Economista Português a Contar-lhe Como Passámos do Pec à Troika

  • One More Shot:

Vítor Gaspar apresenta “A crise explicada às crianças”

  • Pedras Rolantes:

DO PÂNICO AO DISPARATE:Vitor Gaspar: “Eu não minto. Não engano. Não ludibrio” .

A prova de aferição desta manhã, para o 4º ano, não me parece simples. Não vou estabelecer grandes comparações com as de anos anteriores, por não ser matéria de minha competência mas… mesmo olhando daqui, apesar de não muito extensa, implica um nível de raciocínio e abstração que nem sempre é exigido mesmo a alunos do 2º ciclo.

Já o teste intermédio de Matemática do 3º ciclo deixou a maioria dos professores em estado de choque. Nem falo dos alunos que, em muitos casos, nem chegaram a perceber bem o que se passava.

Aguardo, com curiosidade, as posição da APM e SPM.

Ié!

Pode ser humor fácil, mas ainda bem…

Nuno Crato no parlamento, Novas Oportunidades e as provas do 4º e 6º ano.

Isaltino já escapou à condenação por corrupção

Isaltino Morais já não pode ser condenado por corrupção no processo das contas da Suíça, apesar de este crime ter ficado provado quando foi julgado.

É mais um episódio num processo recheado de imbróglios jurídicos. Em Julho de 2010, o Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a condenação do autarca decretada pelo Tribunal de Oeiras, mas anulou a parte relativa ao crime de corrupção, invocando uma irregularidade processual. Por isso, a Relação   ordenou a repetição dessa parte do julgamento (em que está em causa o favorecimento de um empreiteiro a troco de dinheiro, em 1996).

Como esse acórdão da Relação só transitou em julgado nos últimos meses (após a decisão do último recurso, no Tribunal Constitucional), essa repetição só agora aconteceu. Assim, na tarde de quinta-feira da semana passada, Isaltino Morais regressou ao Tribunal de Oeiras – de onde saíra em 2009, recorde-se,  condenado a sete anos de prisão por corrupção passiva, fraude fiscal, abuso de poder e branqueamento de capitais, pena depois reduzida para dois anos pela Relação.

Lucros da Caixa caíram 90% num ano… Governo do PS pensou fazer do BPN nova CGD

Ontem, a Caixa Geral de Depósitos apresentou os resultados do primeiro trimestre. O banco público lucrou menos 830 mil euros do que em 2011. Hoje começam no Parlamento as audições na comissão de inquérito ao BPN e o DN revela que o Governo de José Sócrates pensou fazer do BPN nova CGD.

Fertagus entregou 33 milhões aos accionistas com dinheiro do Estado

Bruxelas antecipa nova derrapagem no défice em Portugal

Mário Lino acusado de mentir ao juiz

Chineses só pagam privatização da EDP após negociar rendas

Three Gorges só passa cheque de 2,1 mil milhões depois da definição do quadro regulatório.

O presidente do grupo eléctrico chinês, Cao Guangiing, que chegou esta semana a Portugal, continua a adiar a entrega ao Estado português do cheque de 2,1 mil milhões de euros, depois de se ter comprometido a fazê-lo hoje.

Se só há más notícias?

Não sei, mas parece que sim.

Sobre esta última já se percebeu, em definitivo, a quem serve Mexia (a quem paga, conforme o momento) e porque o tal secretário de Estado foi de pantanas.

O país não está a saque, porque já foi saqueado.

A gata do Livresco não é info-excluída.

É segredo – mas vai-se andando.

… mas posso estar errado.

A Inspeção Geral da Educação recomendou hoje,  no Parlamento, formação específica para os educadores de infância e professores  do ensino regular, devido à integração de alunos com Necessidades Educativas  Especiais nestas turmas. 

E, já agora, essa formação é para ser alargada a todos os docentes?

Será dada por quem?

Em que termos?

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 896 outros seguidores