Domingo, 25 de Dezembro, 2011


Pearl Jam, Elderly Woman Behind the Counter in a Small Town

A apanha da azeitona abre o apetite…

Tony Judt:

Austerity

Em primeiro lugar para todos os não sabem exactamente o que foi o pós-guerra numa Europa destruída.

Newsweek/Daily Beast Writers’ Favorite Books 2011

From Tina Brown to Simon Schama to Michelle Goldberg, Newsweek and Daily Beast contributors and writers pick their favorite books of the year.

Quem é pobre…

Amanhã, pelas 15,05, vou ao Discurso Directo da TVI24 para uma espécie de balanço do ano, em especial na área da Educação. Espero que os espectadores que telefonarem tenham comidos umas azevias, uns sonhos, uma boa ceia de Natal, etc, porque o meu espírito natalício está aí, mas… pode subitamente emigrar.

Clive Robbins obituary

Educationist and pioneer of music therapy for children with disabilities.

Together with the American composer and pianist Paul Nordoff, the British educationist Clive Robbins, who has died aged 84, founded the Nordoff Robbins approach to what they called “creative music therapy”. During their 16-year partnership, they demonstrated music’s capacity for reaching many developmentally and multiply disabled children. They did this by developing improvisation strategies to enable the children to become more communicative, socially aware, expressive and emotionally balanced.

The pair met in 1958, when Nordoff visited the Sunfield children’s home in Stourbridge, West Midlands, where Clive was working. At the time, Sunfield saw itself as a “curative educational community” following the principles of imagination and creativity promoted by the Austrian philosopher Rudolf Steiner. They set about their experimental musical work with the children there, many of them profoundly disabled, in 1959-60. Appealing melodies, rhythms and harmonies were tailored to each child, who could respond through playing a side drum and cymbal; the sessions were recorded and transcribed. Clive’s contribution lay in setting a direction for his partner’s musicianship, documenting the work and finding a language for communicating their ideas to other professionals.

After touring and lecturing across Europe and America, they were given a five-year research grant from the National Institute of Mental Health in the US. They then became lecturing fellows of the American-Scandinavian Foundation (1967-74), developing training techniques for musicians, publishing and taking part in television documentaries. Nordoff Robbins centres and training programmes were established in Britain, Germany, the US and Australia, and individual therapists worked round the world.

Science review of 2011: the year’s 10 biggest stories

Neutrino particles appeared to prove Einstein wrong by travelling faster than light, while the discovery of an Earth-like planet raised hopes of finding life on another world

Triumphs, disasters and climaxes – 2011 science in pictures

Vapor na lente e receita quase à maneira da antiga canja para doentinhos, com especiarias, presunte e os chamados miúdos do galináceo.

Não sei se é canónica, mas é capaz de ressuscitar um defunto.

Do Correio da Manhã de há uns dias. Armando Vara e Rui Pedro Soares.

A.V. – Em relação a nós estou preocupado. Temos de controlar bem os gajos que escrevem. Faz parte do plano estratégico da PT, já aconteceu noutros lados do Mundo.

R.P.S. – Este é o timing.

A.V. – Há quatro anos a PT vendeu. E formalizou num período de tomada de posse.

R.P.S. – Pois foi. Há outro activo que está à venda. Mas esse não podemos ser nós a comprá-lo.

A.V.– Qual? O ‘Público’?

R.P.S. – O Correio da Manhã.

A.V. – Eles vendem porquê?

R.P.S. – Ó pá. É a Cofina toda.

A.V. – Ó, isso compra-se.

R.P.S.– Mas isso não somos nós [PT]. Vai haver reunião na quarta-feira de manhã. O Nuno [Vasconcellos] tá a tratar disso.

A.V. – Mas o ‘Público’ é que faz a opinião…

R.P.S. – Mas está a vender uma miséria.

A.V.– Mas faz as manchetes e os telejornais.

R.P.S.– Se conseguires que deixe de fazer…

A.V. – Ó pá, diz qualquer coisa quando vieres. Abraço.

Claro que o problema nem é desmentir os factos.É eliminar as gravações para que, no Tribunal, todos possam fingir que os factos não aconteceram.

Mas há – estranhamente? – quem pareça ter saudades…

(c) Alexandre Trindade

Felícia Cabrita à Lux desta semana:

Não nos podemos esquecer de uma escuta do processo Face Oculta, entre um arguido e um suspeito – num altura em que já se percebia que o governo de Sócrates podia não aguentar os 4 anos -, na qual se dizia “Temos de roubar, roubar, roubar, porque já só temos 2 anos”. Isto define a atual classe política.

Só espero, ao fazer o balanço de 2013 ou 2014, não estar a fazer uma citação semelhante. E não disparem sobre a mensageira, lá por não gostarem do estilo ou outra coisa (eu não gosto que ela se tenha prestado a fazer um panegírico biográfico), concentrem-se nos factos.

E sim, também compro revistas de sociedade.

Ou ainda compro. São baratinhas e são um manancial de boa disposição.

Um atrasado (Teresa, dia 23), um em cima do acontecimento (Zinha, hoje).

(c) Olinda Gil

… e acabou melhor.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 896 outros seguidores