Sexta-feira, 9 de Abril, 2010


Boston Legal

Podia ter sido o Bonanza, mas era demasiado óbvio…

Como ontem poderia ter sido a Ally McBeal, do mesmo produtor da de hoje… afortunado consorte da Michelle Pfeiffer…

A sério? Finalmente consumaram?

No dia em que sabemos que a avaliação conta para o concurso deste ano?

Preocupações da Fenprof sobre avaliação satisfeitas pelo ministério – Mário Nogueira

O secretário geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) afirmou esta sexta-feira que todas as preocupações que os professores levaram à reunião com o ministério foram positivamente respondidas e terão consequência no próximo regulamento sobre avaliação de desempenho, noticia a Lusa.

«Todas as preocupações que a Fenprof trouxe a esta negociação foram positivamente respondidas, o que quer dizer que terão consequência no próximo regulamento que vai sair, o que para nós é positivo», afirmou Mário Nogueira, à saída de uma reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Educação.

A reunião entre a delegação da Fenprof e Alexandre Ventura durou mais de três horas, com o Governo a responder positivamente às preocupações dos professores.

Entre os principais pontos negociados, Mário Nogueira destacou que a apreciação intercalar «vai manter-se para todos os professores até final de 2010» e que a partir de 2011 os professores que reúnam o tempo de serviço terão a progressão garantida apesar da apreciação intercalar já não estar em vigor.

Mas esta da apreciação intercalar já não era assim?

Não é como anunciar que os dias, afinal, vão ter 24 horas até final do ano?

reformas e remédios (1)

Eu um dia levei uma bela reguada na 3ª classe por ter estado a medir o meu lápis (o lápis!!! não o que medem agora…) com um colega e não fiquei traumatizado para o resto da vida…

Dêem-lhes mais autoridade!

Uma das memórias que retenho dos meus tempos de escola foi o dia em que um professor me pôs na rua pelo facto de eu ter dado um beijo na face à minha colega de carteira. «Não admito essa falta de respeito», disse ele com autoridade, mandando-me, de seguida, sair da sala, com falta. Nem sequer ousei protestar, pois sabia que qualquer coisa que eu dissesse podia levar o professor a agravar a sanção, ou seja, a dar-me a famosa “falta a vermelho”. Uma falta disciplinar que dava direito a uma comunicação para os pais.
Alguém acredita que isso seria possível hoje? Pois a resposta é claramente um não. Hoje, o professor já não tem autoridade na sala de aula. Em nome das famosas boas práticas pedagógicas, retirou-se a autoridade do professor, levando a que os alunos possam fazer o que lhes dá na real gana dentro da sala de aula. Os vídeos que vão sendo colocados na internet demonstram-no bem. Os alunos, que reclamam mais e melhores direitos no seu estatuto, esquecem-se que também têm deveres. Dá-lhes prazer e estatuto gozar com os professores e vangloriarem-se desses feitos. Aos docentes, por sua vez, nada mais lhes resta do que deixarem que os abusos ocorram. Pois, caso tenham a infelicidade de mandar um grito mais forte para se impor, ou então colocar alguém de castigo, arriscam-se a que o aluno fique profundamente chateado e vá fazer queixinhas aos pais. Estes, por sua vez, também não gostam e depois vão manifestar-se às portas da escola exigindo a expulsão do professor, insultando-o do piorio, de preferência, com as televisões presentes.
É engraçado ver o Ministério da Educação a tentar resolver estes problemas. A solução mais comum é a criação de uma comissão. Depois, surgem umas directivas superficiais que, umas vezes atenuam os problemas, outras agravam-nas. Confesso que não sou nenhum especialista em pedagogia. Não domino as grandes teorias sobre as técnicas pedagógicas a levar a cabo dentro de uma sala de aulas. Mas há uma coisa que eu vejo. O professor está sem autoridade. E todos gozam com ele. Que tal voltar a dar-lhe os instrumentos necessários que lhe permita impor o respeito, não só na sala de aulas, como em toda a escola? Parece simples e talvez assim se resolvam alguns problemas que se verificam hoje nos estabelecimentos de ensino… não sei… digo eu.

Funcionário da escola vai ser ouvido no inquérito

Apenas um funcionário vai ser ouvido no âmbito do inquérito de averiguações sobre o controlo das entradas e saídas da Escola Luciano Cordeiro, em Mirandela, para esclarecer o que falhou no dia da morte de Leandro.

Amílcar Martins Pinheiro, o porteiro que estava de serviço na manhã em que a criança saiu a correr em direcção ao rio Tua, vai dar explicações sobre as circunstâncias em que os alunos saíram sem impedimento da escola. O presidente da Câmara de Mirandela, José Silvano, quer apurar as responsabilidades sobre ‘a situação específica do portão da escola e do controlo das entradas e saídas’.

O autarca quer especificar se o funcionário infringiu as regras ou se era normal os miúdos entrarem e saírem sem impedimento. O funcionário arrisca a expulsão.

Detalhes no Ad Duo, que escuso duplicar:

A ADD 2007-2009 é contabilizada para efeitos de graduação ao concurso de 2010/2011

E é capaz de ser por aqui que as coisas vão começar, de novo, a descambar e olhem que não será apenas para o lado da 5 de Outubro…

Ah, pois…

Sócrates e Soares empatam apoio à candidatura de Alegre

A proximidade entre José Sócrates e Mário Soares está a travar o apoio imediato do PS à candidatura presidencial de Manuel Alegre, avança a edição do SOL desta sexta-feira.

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 945 outros seguidores