Novembro 2009


Norah Jones, Chasing Pirates

Estamos num período crítico das negociações em torno da revisão do ECD e de um modelo de carreira docente que pacifique as escolas. Os pontos de maior discórdia sempre foram a divisão entre professores e titulares e as quotas para a progressão.

Neste momento, a proposta do ME, embora contemple a eliminação da tal divisão hierárquica, introduz um conceito de carreira que faz lembrar uma espécie de pirâmide com patamares.

É certo que é uma proposta para negociar mas o facto de introduzir três pontos de estrangulamento na progressão dá a entender que um deles deve ser mesmo desejado (o que iria dar quase ao mesmo do que temos no ECD ainda em vigor), quiçá dois (impensável).

Isto representa um passo para o lado que, independentemente do novo estilo dos interlocutores e do ambiente mais suave das negociações, vai a breve prazo provocar um acréscimo de insatisfação entre a classe docente.

Ao contrário de algumas reacções mais epidérmicas, quanto mais baixo ficar o estrangulamento, maiores serão as poupanças do ME a médio e longo prazo pois este condicionamento será exercido sobre todos aqueles que de novo entrarem na carreira.

Se a contingentação de vagas se verificar mais acima, isso significará uma redução dos docentes que conseguirão chegar ao topo da carreira a curto prazo, mas tudo isso depende da distribuição do número de docentes por escalão.

Algo que neste momento não se sabe ao certo, depois do êxodo de muitos profissionais.

Há portanto uma importante zona cinzenta sobre aquilo que que o ME pretenderá.

Mas a ser poupança o que se pretende, porque será que foi criado o índice salarial 370 que ainda ninguém ocupa? Não será boa ideia esquecer esse escalão – visto que ninguém será prejudicado pela sua eliminação – e deixar a progressão verificar-se verdadeiramente por mérito até ao índice 340, como até agora?

Já alguém fez as contas?

Eu não tenho dados para isso.

O que sei é que – ao contrário das leituras militaristas – a carreira docente não se caracteriza, salvo raras excepções, por funções de tipo hierárquico, pelo que não faz sentido falar em soldados, sargentos, tenentes, capitães, coronéis e generais.

O que pode existir e existe, apesar de ser a docência a base fundamental da carreira, são diferenciações funcionais sem uma carga hierárquica. Um professor da Educação Especial não se encontra acima ou abaixo de um professor regular.

Se é verdade que existem funções de coordenação e orientação pedagógica, não é menos verdade que essas funções não são marcadas por uma componente de comando.

Se é verdade que existe uma responsabilização maior em alguns cargos, então que se atribuam prémios suplementares  temporários pelo seu desempenho – e não escalões específicos da carreira  – para quem ocupe essas funções, como já acontece com os órgãos de gestão.

Isso permitiria recompensar quem ocupa transitoriamente um cargo ou função, mas não fechar o seu exercício numa casta de acesso restrito.

E serviria a poupança, com a eliminação do prospectivo índice 370, recompensando o mérito ou o exercício de funções, ao mesmo tempo que evitaria a hierarquização da carreira e, de forma indirecta, a necessidade de quotas ou contingentações.

 

o silêncio dos livros

O pai na Nação?
Passou a voar baixinho com as trocas na 5 de Outubro? O 4º mosqueteiro tornou-se redundante?

Tenho saudades…

:mrgreen:

VALE MAIS RECEBER ROBALOS OU ROUBÁ-LOS?

Perante o mistério do crime de corrupção (passiva…) de que está indiciado Armando Vara, avancei uma dúzia de anos no tempo, para “escutar” o mediático julgamento do (por essa altura) já Governador do Banco de Portugal.

Junto do meritíssimo Juiz, o responsável pela acusação, o Sr Procurador Armando Silveira; na bancada dos advogados, o ilustre defensor Silveira Godinho; os dois arguidos, de pé, diante do Sr Juiz.

Depois da intervenção inicial do meritíssimo, seguiu-se o interrogatório, sem qualquer interrupção, ( para não deixar arrefecer o almoço ), do Sr Procurador e do Defensor dos arguidos. No fim, depois das alegações, seguiu-se um delicioso travar de razões entre o digno Procurador e o Ilustre Defensor.

Assim:

PROCURADOR:

“ … Mas existem as escutas que…”

DEFENSOR:

“ Mas as escutas nada podem provar, sr Procurador. Mesmo que sejam válidas, o que aliás nunca se admitiu, pode ter sido combinado, e estar registado, que o arguido   receberia dez mil euros; mas combinar não significa entregar, Sr Procurador!

P.:

“ Mas, está gravado um acordo de entrega do dito dinheiro nas próprias instalações do BCP, portanto, a prova existe mesmo!”

P.:

Mas, sr Procurador, concordará que não pode ter a certeza de o que foi combinado ter sido, efectivamente, cumprido! Alguém viu o Sr Godinho entregar o dinheiro ao Sr. Vara? Alguém filmou o alegado momento do crime? Ninguém, sr procurador! Por conseguinte…não há prova! E não havendo prova, aplica-se, como muito bem sabe, o princípio “ In dubio pro reu”.

PROCURADOR ( virando-se para o Juiz):

Mas, meritíssimo Juiz, permita-me apelar ao justo e acostumado bom senso de V. Ex.ª, para, no cotejo das provas, não deixar de ter em devida conta uma prova que os arguidos não negarão, porquanto foi dito publicamente, por um deles, ( e há imagens que o comprovam) ter recebido ROBALOS do outro. Insisto: está gravado, Sr Juiz!

O DEFENSOR:

- Ó Sr Procurador, com a devida vénia!, e acha esse facto assim tão sério e grave que possa provar um crime?  É caso para lhe dizer digno procurador, a propósito dos ditos robalos, que “ Vale mais recebê-los do que ro(u)bá-los!…”.

Cunha Ribeiro

Professores pedem números para avaliar propostas do Governo

Os sindicatos de professores querem saber qual será a duração da carreira proposta pelo Ministério da Educação, bem como o número de professores em cada escalão e o tempo necessário para a transição, antes de qualquer compromisso.

Começou aqui. Continuará enquanto ou mesmo se…

Para comemorar nada como uma dia de trabalho que começa com uma turma dizimada a mais de 50% pela gripe e outras maleitas

 

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 946 outros seguidores