Maio 2007


ego.jpg

Tem muitas formas. Mas todas parecidas. Mesmo quando não parecem.
Mesmo quando se afirma crítico. Mesmo quando se afirma renovador.

Regressando agora a outro assunto que foi ultrapassado pela actualidade, gostava de recuperar as propostas do documento final do Debate Nacional sobre Educação, as tais que até acho úteis e suficientemente ponderadas, mas que devem ir parar à prateleira  ou ser utilizadas apenas no que é conveniente para o poder que passa. Vejamos então a segunda proposta:

Mobilizar as escolas, as comunidades locais e todos os seus recursos para prevenir o abandono escolar precoce (compromissos sociais pela qualificação)

Esta é outra daquelas coisas com as quais é impossível deixar de estar de acordo. Tenho, contudo, algumas dúvidas relativas à possibilidade de combater o abandono escolar precoce se continuarmos a investir apenas na retórica da territorialização das políticas educativas e não numa efectiva concertação da acção de instituições que dependem de diversas tutelas e níveis da administração.

Se a instituição dos agrupamentos permitiu que o controle “vertical” do trajecto dos alunos em risco fosse acompanhado de forma muito mais eficaz, isso não é suficiente no caso de tantos alunos que pedem transferência para fora do agrupamento ou mesmo do concelho, alegando alteração da residência, o que dificulta o controle “horizontal” desse trajecto.

Para além disso, a Escola por si só não tem meios para, depois de sinalizadas as situações de abandono, ir em busca desses alunos e fazê-los voltar. Aqui é necessária uma acção pronta, rápida e eficiente, das autoridades judiciais, assistenciais e mesmo policiais. E o que neste particular se passa não é o mais animador em muitas zonas do país. As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em Risco funcionam muitas vezes com base no voluntarismo das pessoas que lá trabalham, mas com condições muito precárias. Leia-se o início do sumário executivo deste relatório e perceber-se-á logo até que ponto existem deficiências no apoio de muitos municípios ao funcionamento destas estruturas.

A um outro nível, temos a questão das Cartas Educativas (p. 145 do relatório final), que ainda estão muito atrasadas em muitas zonas do país, sendo que em algumas onde estão em estado mais ou menos avançado (temos aqui o caso da área da acção da DREN), as recentes medidas de racionalização da rede escolar por parte do ME fizeram tábua rasa do trabalho desenvolvido. Para além de que em zonas de rarefacção da rede escolar, de aumento da distância das deslocações das crianças para os estabelecimentos de ensino, as hipóteses de abandono escolar aumentam imenso, em especial quando os contextos familiares e o contexto socio-económico potenciam imenso uma inserção prematura no mercado de trabalho em condições longe das ideais e das legais.

Por isso, quando se propõe que as comunidades locais se envolvam, e aos seus recursos, no combate ao abandono escolar, isso significa que é essencial que todas as instituições envolvidas actuem de forma coordenada, que exista uma clareza de competências e áreas e acção de cada uma delas e que o discurso da territorialização e da desconcentração de responsabilidades seja algo mais do que chavões propagandísticos ou mais uma porta aberta para alimentar a voracidade dos aparelhos partidários locais.

As formas de combater o abandono escolar estão em boa parte devidamente identificadas neste documento, assim como algumas das metodologias para o fazer. Resta saber o que, no terreno, está a ser, ou vai ser, efectivamente feito, para além de medidas cosméticas como “segundas oportunidades” que não passam de meras “certificações de competências”, sem qualquer valor acrescentado para aqueles que recebem um diploma mas mais nada. 

att00155.gifParece que houve alguns blogueiros que decidiram fazer uma estatística – leia-se “listagem” – dos blogues que aderiram ao movimento grevista sugerido a partir, entre outros, do Kaos.

Ora bem, eu desde o início declarei a minha adesão sob duas condições e fiz três posts ao cair do dia com a designação de “serviços mínimo”. No Apanha-Moscas, por exemplo, essa posição é claramente apresentada.

Sei que é um detalhe, mas alguém decidiu apontar-me como tendo furado a greve, Curiosamente logo a seguir a outro blogue que se afirma ter estado em serviços mínimos.

Perante este zelo classificador, guardo para mais tarde uma ligeiríssima análise sobre a forma como alguns interpretam o registo diferenciado dos grevistas como ilegal – com o que concordo – mas depois agem de forma equivalente. Isto é tanto mais sintomático quanto o autor do Pimenta Negra se apresenta como crítico e adepto do livre pensamento, incluindo até uma imagem a propósito. Mas depois nem admite comentários.

Fico agora à espera da lista dos blogues que, tendo sido contactados, não aderiram à iniciativa. E espero ainda mais ansioso pelo apelo ao seu boicote.

pol1.jpgpolb.jpgSão dois livros que em meados dos anos 90 nos deram a conhecer como no farol destas coisas políticas – os bons e novos States – estava a começar a funcionar a coisa política.

No livro do improvável casal Matalin/Carville colocam-se à vista de todos alguns dos meandros das campanhas políticas em que os fins justificam todos os meios e em que as estratégias comunicacionais entre o terrorismo político e as operações de antecipação se tornaram cada vez mais sofisticadas (e caras).

No livro de Johnson e Broder desmontam-se os mecanismos do funcionamento do que muitos chamam o Sistema, mas depois não especificam exactamente o que é e como funciona. O pretexto foi a tentativa de Hillary Clinton erguer um sistema universal de cuidados médicos nos EUA e como isso foi sendo bloqueado e, por fim, atirado borda fora da agenda política (até o peculiar republicano Schwarzenegger ter recuperado a ideia na Califórnia).

A sua leitura atenta talvez permitisse – com uma década de atraso – perceber como as estratégias políticas e comunicacionais funcionam hoje e como, depois de testadas além-Atlântico, passaram para a Europa, após segundo teste na Grã-Bretanha blairista.

  1. Que balanço fazem da greve?
  2. Deitando fora a ganga da retórica dos dois lados, o que resta?
  3. Terá sido feita a leitura correcta dos antecedentes e do contexto?
  4. Que lições para o futuro?
  5. Estou a fazer demasiadas perguntas?

Eye to eye stand winners and losers
hurt by envy, cut by greed
face to face with their own disillusion

Já sei, já sei, as minhas referências musicais são demasiado pop e tresandam a eighties.
São ossos da geração

O Governo anunciou esta quarta-feira uma taxa de adesão de 12,8% dos funcionários públicos à greve geral, considerando que esta está a ter um «impacto limitado» e uma participação inferior às greves anteriores. Já a CGTP, estima que a adesão à paralisação ronde os 47%, segundo números provisórios até às 14:00. (mais contas cruzadas por aqui e aqui)

Dados oficiais do Governo com base numa amostra muito selectiva até às 13.00 e da CGTP com base numa outra amostra recolhida até às 14.25, também ela razoavelmente seleccionada.

Página seguinte »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 944 outros seguidores